Real Time Web Analytics

28 de set de 2012

Apresentando: Gateira Michele!


Oi, meu nome é Michele, 
tenho 36 anos 
e sou pedagoga/psicopedagoga.

 Hoje tenho 4 gatas, foi o máximo que já tive ao mesmo tempo. Comprei minha primeira gata há uns 10 anos (ela já morreu), eu não sabia nada sobre proteção animal, nem sobre os malefícios do comércio de animais... Mas por causa dela e de outras que vieram acabei me aproximando das ONGs de proteção animal e aprendi muito! Hoje sou protetora e ajudo sempre que posso os animais abandonados...

Na época que eu tive a Kika e Babi, eu era casada, tive alguns problemas com meu ex-marido no início (ele não queria que elas fossem sobre a cama, elas ficavam presas na lavanderia a noite...), mas logo deu tudo certo e elas viviam felizes. Me separei, e claro, as gata ficaram comigo. Depois, chegou a Lola, vi a gatinha em um pet para adoção e me apaixonei.
Como eu estava envolvida com a proteção animal e meu apartamento era grande, frequentemente fazia lar temporário para gatos de um abrigo. Uma dessas vezes, uma gatinha quase morreu de verminose e adivinhem o que aconteceu? Claro, adotei mais uma: a Juju. Mas fazer lar temporário sempre foi muito difícil, eu sempre me apegava aos gatos e se eles não eram adotados e tinham que voltar para o abrigo eu quase morria...

Antes mesmo de adotar a Juju comecei um relacionamento com o Mauro, por sorte ele gosta de gatos (se não gostasse e quisesse ficar comigo teria que aprender a gostar, rs...).

Me mudei para um apartamento menor, agora não posso mais fazer lar temporário para ninguém... Já tentei em casos emergenciais, mas os resultados não foram os melhores para os hóspedes...
Sempre morei em apartamento e com tela (rede de proteção) em todas as janelas, as gatas não saem de casa (exceto para ir ao vet e pet), mesmo assim usam coleira com placa de identificação para uma emergência...
 
Ano passado a Kika morreu, tinha um problema no coração que quando foi descoberto não dava para fazer mais muita coisa, foi muito doloroso. Esse ano adotei a Nina, ela agora está com 8 meses, é o foguete da casa! Destrói e pronta todas, como todo bebe, mas não tem como não amar!
Hoje tenho a Babi (8anos), a Lola (5anos), a Juju (3 anos) e a Nina (8 meses). Eu e o Mauro vivemos com as gatas na maior harmonia, não imagino minha vida sem elas, são minhas maiores companheiras. Sim: companheiras! As pessoas pensam que gatos são ariscos, não são carinhosos, mas esses nunca conviveram com gatos, pois as minhas estão sempre onde estou, não grudadas (claro!), mas ao lado, me acompanhando, me cuidando, pedem carinho, fazem carinho...
Ainda não tenho filhos, não sei se terei, mas com certeza se tiver eles amarão os gatos e os animais desde cedo, nunca abandonarei as gatas por causa disso (e já vi muitos casos: trocam de filhos: gatos por bebes!!!) Se um médico chegar a cogitar, troco de médico na hora! Tenho renite e asma, e se algum médico falar que tenho que me desfazer das gatas, me desfaço do médico!
Se eu pudesse teria mais gatos, o que me impede? Espaço... Acho que o espaço de minha casa não é adequado para mais gatos... A Babi, periodicamente tem algum problema de saúde... Acho que é mais sensível por ter uma “raça”, ela é persa. As outras, as vira-latas nunca têm/tiveram nada! 
Recomendo: adote um vira-latinha, rs...
Gatos usam a caixinha de areia, por isso, não há problema algum com limpeza/cheiro no ambiente. Muitas pessoas até se surpreendem quando me visitam! Além de tomarem banho sozinhas diariamente e serem bem limpas, umas duas vezes por ano levo para tomar banho no pet (especializado em gatos). Assim já fazem um check-up. 
As minhas gatas não dão trabalho algum... Comem somente ração, precisam de vacina anual e quando viajo, contrato uma pet sitter (Cacau) que cuida delas em casa mesmo, assim não me preocupo e elas também não se estressam.
As gatas tem casinhas e caminhas, mas pouco usam, afinal a casa é toda delas, rs... Também têm seus brinquedinhos que adoram: ratinhos, bolinhas, grampo de roupa, molinhas, etc. Tudo vira brinquedo, até um pedacinho de papel ou a folha de uma planta. Falando em plantas é preciso tomar cuidado com plantas tóxicas e não tê-las, pois com a curiosidade dos gatos eles podem “atacá-las” e se intoxicarem.
Clique na imagem para ampliar!
Vou parar por aqui pois acho que escrevi demais, nem sei se lerão tudo isso... Enfim as minhas gatas são meus amores, não troco, não vendo não dôo! Amor a gente não abandona! Só quem tem e ama gatos é que sabe realmente como é bom!

Eu sou gateira!

Vamos estrear  o espaço de depoimentos "Eu Sou Gateira" com o primeiro história de uma das minhas amigas (lindas) gateiras! 

Mas antes, vamos falar um pouco sobre um termo que soa estranho a princípio: gateira.

Quando ouvi pela primeira vez a palavra achei-a muito estranha: uma amiga da proteção me apresentou para outra pessoa assim: Esta é a Margareth, ela também é gateira!
Hum? Gateira? Como assim?

"Gateira" é um termo usado entre as pessoas que amam animais e se refere,  de modo bem geral, a quem tem gatinhos e principalemente os ama (normalmente vários gatinhos).
Cada pessoa gateira sente-se e sabe-se GATEIRA.

Encontrei algumas "explicações" de gateiros sobre o que é ser GATEIRO e transcrevo aqui:

 "Ser gateira é uma qualidade excepcional para o ser humano. Somente quem tem gatos ( ou são propriedade deles) pode explicar esse sentimento de amor recíproco. Somente quem os tem, e repito, ou é tida por eles, descontrói todos os mitos: que não obedecem, não são amorosos, gostam mais da casa do que de pessoas, abandonam a moradia, são arredios, fazem parte de uma estranha confraria de seres sobrenaturais. Que são desobedientes, destruidores de móveis, etc, etc, etc.

Nada disso. São essencialmente amorosos e nos confundem como seus iguais. São guardadores de seus espaços, amorosos, constroem seus rituais, têm hábitos previsíveis, respondem pelo próprio nome, constituem um repertório próprio de palavras, aprendidas ao longo da convivência e amorosamente ensinadas.
Por outro lado são mandões, como ou se diz: "cachorros tem dono. Gatos tem funcionários." 

Cidinha Souza Pinto
Fonte: Tagarelices da Ci

"Pensei que essa pergunta fosse fácil... pensei que era tão óbvia... que fosse só "GOSTAR DE GATOS", mas não. refleti muito nessa questão e vi que vai muito além de gostar de um animal. Ser gateira é amar e ser amada incondicionalmente por aqueles que tantos discriminam. É ter seu sofá (qdo se tem) todo rasgado pelos arranhões desses bbs, é sair com a roupa preta, toda branca de pelo. Melhor é usar uma roupa MUITO colorida, tipo, psicodélica...
Mas cada uma pessoa é unica, assim como os animais. Eu sou diferente de várias gateiras. Umas são mais consciente e só tem 2 ou 3, outras passam dos 60. Mas pq a maioria tem muitos??? Pq esses anjinhos são muito discriminados, são os que sofrem mais maus tratos e são os mais abandonado. Pq??? Já escutei VÁRIAS vezes que "ELES" se viram!!! Acho que as pessoas pensam que se um for abandonado, simplesmente vai arrumar um emprego e comprar sua própria ração.
Eu amo esses bichinhos pq são misteriosos mas seus olhos transmitem amor, são ágeis, mas ao msm tempo frageis..."
Anônimo extraído daqui: orkut

27 de set de 2012

Gateiras

E os depoimentos já estão chegando e logo, logo vou começar a postar aqui no blog as histórias das amigas gateiras!
Muita coisa curiosa, comovente e engraçada, tenho certeza que o leitor vai adorar conece um pouco sobre a vida de pessoas que amam e convivem com vários gatinhos diariamente, dividindo tudo com estes seres mais do que especiais!


26 de set de 2012

Novidadeeee!!!

Gentemmm! To ansiosa para compartilhar com vocês uma novidade que vai rolar aqui no blog!
 Não é segredo para ninguém (aliás não tenho segredos,rs) que amo gatos e sou gateira de carteirinha! Isto gera muitas reações diferentes nas pessoas (e mesmo em familiares): surpresa, incompreensão, apoio, risadas, confusão...

Convidei as minhas amigas também gateiras, para compartilhar um pouco das suas vidas e experiência convivendo com (vários) felinos! Estes depoimentos certamente trarão esclarecimento para muitas dúvidas das pessoas que não imagiam como é viver com estas companhias maravilhosas! Se você quiser participar, entre em contato comigo, deixando seu contato nos comentários deste post, ok?

25 de set de 2012

DICA PARA GATEIRA (O)

Você tem muitos gatinhos que ama demais, mas soltam muito pelo?
Como você limpa estes pelos dos estofados? Dê adeus a fita adesiva, rolinhos e etc...

Para mim foi uma novidade que realmente amei e funciona muitoooo bem!

Sabe aquelas luvas de borracha que usamos para lavar louça? Simmm,aquelas comuns que se encontram até em mercadinhos de bairro? Pois é...


É a melhor coisa do mundo para tirar pelos dos gatos dos sofás, cobertas, almofadas e roupas.


Pode testar e venha contar depois.
Modo de usar: 
vista a luva e passe a mãe na superfície a ser limpa em uma direção, os pelos vão juntando e depois é só jogar no lixo!
Ontem eu juntei uma sacolinha de mercado e pelos, dava para fazer uma peruca para um gatinho careca!



Confiança

Você já parou para pensar um pouco sobre o que é a confiança, o quanto ela é importante e o quanto precisa estar presente na vida da gente? Confiança não é só importante na vida da gente, é tudo ou quase tudo.

No dicionário:
Confiança: sentimento de seguranç na sinceridade ou na competência de alguém.
Confiar: pôr-se sob os cuidados de entregar-se, revelar
Fonte: Dicionário Houaiss


Em um relacionamento: qualquer que seja ele de paixão, amor, amizade, a confiança é a base para a relação "funcionar" de verdade, com excelência.

Se você confia no outro envolvido, você se entrega, se deixa levar e relaxa.
Os gatos muitas vezes são taxados como traiçoeiros... quanta ignorância nesta ideia.
Em si mesmo: Se você confia em si mesmo, conquista e alcança qualquer objetivo.

Confiança entre humanos e gatos:

 Eu tenho a honra de conviver num lar com 5 gatos, você pode imaginar o que é isso? Consegue imaginar como é este dia-a-dia?

Muitas vezes recebo visitas, algumas das quais nunca conviveram com gatos, e elas sempre querem "pegar" no colo, passar a mão, e não conseguindo ficam meio chateadas. Comentam alguma tolice do tipo: Ah! Gatos não gostam do dono - aliás ninguém é "dono e sim TUTOR" - só gostam da casa. Ou gatos só chegam perto para pedir comida... ai aiiii que ingenuidade, ignorâcia, que falta de conhecimento que estes comentários denotam.

A única coisa que faltou para o meu bichano se aproximar foi CONFIANÇA meu caro!


Os gatos criam uma relação afetiva fortíssima com seus tutores e totalmente baseada em CONFIANÇA. ENTEDEU AGORA porque você chega na minha casa e meus gatos se escondem? Eles ainda não te conhecem, não há menor relação de confiança entre vocês. Óbivio que ele não vai rolar no seu colo e nem te dar a barriguinha, nem te dar deliciosas bicotinhas (simmm, gatos beijam e mordiscam como forma de amor e carinho, alguns também lambem) Mas isto é privilégio somente de poucos. Por quê? São muitos os porques: eu amo meu gatinho, eu o medico, o trato, o amparo, o resgato, o alimento... mas com certeza e essencialmente é porque confiamos um no outro!

21 de set de 2012

ADVOGADOS ZOMBAM DE CRIME AMBIENTAL!

VERGONHA DE SER BRASILEIRA, DE "PROFISSIONAIS" QUE MENOSPREZAM A VIDA E DE UM HOMEM COVARDE COMO ESTE QUE ESPANCOU A CADELINHA!
VOU DIZER UMA COISA,  TALVEZ ESTE HOMEM PRECISASSE TAMBÉM DE UMA BOA CABAÇADA DE PAU" PARA VER SE AMANSA. CONCORDAM?
Segue posicionamento da SPAC perante a barabaridade e zombaria...
Advogados zombam de crime ambiental na audiência da cadelinha espancada Lessie em Curitiba
...
Hoje no Juizado Especial Criminal aconteceu a audiência referente ao espancamento da cadelinha Lessie no dia 30 de julho de 2012, na época com seis meses de idade, pelo proprietário da casa onde a família da Lessie é inquilina no bairro Santa Cândida em Curitiba.

No dia do fato a Lessie foi levada por sua família para atendimento na Sociedade Protetora dos Animais de Curitiba (SPAC). Chegou em choque, com sinais de espancamento na região da cabeça. Levou alguns dias para conseguir se locomover, teve vários episódios de convulsão e acabou por perder a vista direita. Denunciamos o crime a Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA).

Valdomiro Nagata, responsável por espancar a cadelinha, compareceu a audiência acompanhado de “dois advogados”. Ele admitiu ter espancado a cadelinha alegando que ela o teria atacado. Além das testemunhas alegarem o contrário, nós nos manifestamos contra a sua declaração absurda, sendo que a cadelinha Lessie é muito dócil, conviveu com outros animais e pessoas que circulavam na entidade por dias sem demonstrar nenhuma agressividade, sendo que na época que foi agredida tinha seis meses de idade, menos de 4 kgs de peso,é uma cadelinha de pequeno porte, e mesmo que tivesse “assustado”o Sr. Nagata como alegou, não justificaria sua atitude cruel, covarde e desproporcional. Na verdade, sua declaração é no mínimo ridícula. Ele ainda reclamou muito da Lessie e dos animais que a filha da inquilina levava para a casa, o que confirma os relatos da família e testemunhas de que vinha fazendo ameaças devido a presença da cadelinha na casa.

Revoltante também foram as declarações dos advogados sobre o comportamento da cadelinha que após levar uma “camaçada de pau” teria se tornado dócil, o que rebatemos imediatamente, além das declarações que a inquilina e seus cães agora “irão para rua e terão que ir morar na Sociedade Protetora dos Animais de Curitiba”. Respondemos que devem pensar bem antes de fazer ameaças.

O Sr. Nagata, por ser réu primário, teve o benefício da transação penal, benefício que não receberá pelos próximos 5 anos se for denunciado novamente. Aceitou o benefício com multa no valor de 1/3 de sua remuneração mensal declarada, que deverá ser revertida a uma organização não governamental credenciada ao Juizado.

A Lessie está com amigos da família, e irá para sua casa nova neste fim de semana, quando sua família desocupará o imóvel do Sr. Nagata por vontade própria. Informamos que não devem aceitar ameaças ou intimidações e devem comunicar a polícia qualquer fato que vier a ocorrer.

Segue em anexo foto da Lessie ainda na SPAC.

Soraya Simon
Sociedade Protetora dos Animais de Curitiba
www.spacuritiba.org.br

10 de set de 2012

LUTO PELO ABRIGO INCENDIADO EM PARANAGUÁ

Incêndio proposital e criminoso ASSASSINOU 48 gatos e 58 cães em uma abrigo em Paranaguá/PR.

Um profundo pesar assombrou os corações dos responseaveis pelo local, mas esperamos que um pouquinho desta dor possa ser diluída com a JUSTIÇA!!! O criminoso e ASSASSINO deve pagar pelo seu ato de modo exemplar!
Punição máxima é o que a sociedade espera!  

Fonte: ANDA